ALEPH
PENSANDO NOVOS FUTUROS
2024
“R.U.R. antecipou o medo da inteligência artificial.” — The Economist
APRESENTAÇÃO
A história visionária que apresentou ao mundo a palavra robô

 O ano é 1920. O recente fim da Primeira Guerra Mundial assolou países do Oeste europeu, que viram crescer entre a população um sentimento nacionalista que culminaria mais tarde em governos autoritários com diferentes tons de fascismo. Os do Leste europeu, por sua vez, assistiram à expansão dos grupos comunistas após o início da Revolução Russa, o que permitiria o surgimento da União Soviética dois anos depois. Do outro lado do oceano, em constante ascensão político-econômica, os Estados Unidos se consagravam como uma das maiores potências do globo. No campo cultural, as vanguardas europeias — cubismo, futurismo, expressionismo, dadaísmo e o que viria a ser nomeado surrealismo — influenciavam as artes plásticas, ao passo que a literatura se inquietava com as primeiras publicações dos autores transformadores do modernismo.

Enquanto isso, na Europa Oriental, fazendo fronteira com Alemanha e Polônia, e não muito distante dos países soviéticos, um território alicerçava um período politicamente próspero durante o entreguerras. Hoje dividida entre a República Tcheca e a Eslováquia, a Tchecoslováquia estabeleceu uma democracia parlamentar e in...

Ler texto completo
SOBRE O AUTOR
Karel Čapek

Karel Čapek nasceu na atual República Tcheca, em 1890, e teve grande relevância nos movimentos literário e artístico ao longo da primeira década do século 20. Sua carreira como escritor e dramaturgo teve grande impacto na cultura pop: foi a peça R.U.R., de 1920, que cunhou a palavra robô e levou a preocupação com a criação de vida artificial a um novo patamar.

Um crítico extremamente perspicaz, Čapek teve a vida marcada pelo ativismo político e pela preocupação com as implicações sociais e éticas da tecnologia. Faleceu em 1938.

A ORIGEM DE R.U.R.
Capa da 1ª Edição de R.U.R. (1920)
Logotipo da corporação Os Robôs Universais de Rossum, na página de título da primeira edição (1920)
Cena da peça (1928)
Cena da peça (1928)
Cena da peça (1928)
Cartaz para a produção de Marionette Theatre, em Nova York (1939)
LINHA DO TEMPO
UMA BREVE HISTÓRIA DOS ROBÔS

Mecanismos automatizados sempre estiveram presentes no imaginário da humanidade. Separamos aqui algumas das invenções que ditaram a evolução da robótica nos últimos séculos:

Mitologia
Considerado uma das primeiras representações de robôs da história, o mito de Talos apresenta um gigante de bronze enviado pelo deus da tecnologia Hefasto.
O matemático grego Arquitas de Tarento cria um pássaro de madeira que batizou de “O Pombo”, propulsionado por vapor e jatos de ar comprimido.
350.a.C
100.d.C
Heron de Alexandria detalha o funcionamento de dispositivos automáticos em sua obra Automata.
O engenheiro árabe Al-Jazari descreve dispositivos mecânicos inovadores em seu Livro do Conhecimento de Dispositivos Mecânicos Engenhosos.
1206
1495
Leonardo da Vinci desenha um autômato humanoide, o "Cavaleiro mecânico de Leonardo".
Marionetes mecanizadas conhecidas como “Karakuri Ningyo” aparecem no Japão, geralmente projetadas para realizar uma única tarefa, como servir chá ou escrever caligrafia.
1600
1738
Jacques de Vaucanson cria o primeiro autômato funcional, um pato mecânico que come e defeca.
O termo robô é cunhado por Karel Čapek em sua peça R.U.R, descrevendo uma fábrica que faz trabalhadores artificiais.
1920
1927
O filme Metrópolis, baseado no livro de Thea von Harbou, apresenta o primeiro robô do cinema, “Maria”.
"Elektro", um homem mecânico de mais de dois metros de altura construído pela Westinghouse, aparece na Feira Mundial de Nova York.
1939
1942
Isaac Asimov descreve as "Três Leis da Robótica".
É criada a patente do "Unimate", precursor dos robôs de fábrica.
1961
1972
Shakey, criado pelo Instituto de Pesquisa de Stanford, é o primeiro robô a usar Inteligência Artificial, capaz de observar, planejar e executar tarefas como navegar por um ambiente, usando sensores e programação de planejamento.
"RB5X" é criado pela Geral Robotics Corp., um robô programável equipado com sensores infravermelhos.
1985
1993
O designer americano Marc Thorpe funda o "Robot Wars", um evento em que robôs controlados por rádio competem em eventos ao vivo ao estilo gladiador.
Um computador construído pela IBM conhecido como "Deep Blue" vence o campeão mundial de xadrez Garry Kasparov.
1997
1998
A Tiger Electronics introduz o "Furby", um animal de estimação animatrônico que pode reagir ao seu ambiente e se comunicar.
"Kismet", criado por Cynthia Breazeal, é o primeiro robô sociável projetado para provocar e reagir a emoções.
2000
2002
A iRobot, fundada por pesquisadores do MIT, lança o "Roomba", um robô aspirador que utiliza um algoritmo para explorar completamente um espaço, tornando-se o primeiro robô funcional a fazer sucesso com o público, com 15 milhões de unidades vendidas.
Criação do "BigDog" da Boston Dynamics, robô de quatro patas que navega por terrenos difíceis, como florestas, colinas e neve.
2004
2011
"O Robonaut 2", um assistente robótico semelhante a um humano desenvolvido conjuntamente pela NASA e General Motors, é lançado no espaço para se tornar residente permanente da Estação Espacial Internacional.
A Starship Technologies começa a testar robôs de entrega autônomos para o transporte de mercadorias e encomendas em ambientes urbanos.
2015
2016
Sophia é um robô humanoide projetado para aprender, adaptar-se ao comportamento humano e trabalhar com seres humanos. Tornou-se o primeiro robô a receber a cidadania de um país.
Melhorias significativas em inteligência artificial, aprendizado de máquina e percepção sensorial permitem que robôs realizem tarefas cada vez mais complexas de forma autônoma, desde dirigir veículos até operar em ambientes inóspitos como o espaço e os oceanos.
2024-
INSPIRAÇÃO
LENDO JUNTO
A história visionária que apresentou ao mundo a palavra robô

R.U.R., abreviação de Rossumovi Univerzální Roboti (Os Robôs Universais de Rossum), é uma peça teatral visionária escrita por Karel Čapek. Publicada pela primeira vez em novembro de 1920, a peça estreou mundialmente em 2 de janeiro de 1921 em um teatro regional de Hradec Králové, antes de ser apresentada no Teatro Nacional de Praga. R.U.R. rapidamente capturou a imaginação do público global, estreando em Nova York em 1922 e sendo encenada em diversas cidades europeias e traduzida para várias línguas. A obra é celebrada por sua crítica à civilização tecnológica e suas potenciais ameaças à sociedade, além de ser uma metáfora rica sobre o controle da modernidade por magnatas predadores e um comentário sobre revoltas e revoluções. Com personagens humanos e robôs que provocam reflexões profundas, a peça é reconhecida por sua relevância contínua, tanto que foi adaptada em várias versões, incluindo a primeira produção de ficção científica da BBC em 1938.

Ler R.U.R. em um clube de leit...

Ler texto completo
DISPONÍVEL EM DUAS VERSÕES
LEIS DA ROBÓTICA
03
Leis da robótica, por Isaac Asimov
Isaac Asimov apresentou três princípios que buscavam estabelecer diretrizes éticas e morais para o comportamento dos robôs no seu universo ficcional. As leis de Asimov transcenderam a ficção, inspirando debates e reflexões sobre a ética na tecnologia de inteligência artificial no mundo real.
"A um robô não é permitido ferir um ser humano ou, por inação, permitir que um ser humano sofra algum mal."
01
"A um robô deve obedecer as ordens que lhe sejam dadas por seres humanos, exceto nos casos em que tais ordens entrem em conflito com a Primeira Lei."
02
"A um robô deve proteger sua própria existência, desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira ou Segunda Lei."
03
"Eu acuso a ciência! Eu acuso a tecnologia! A Domin! A mim mesmo! A todos nós! Nós, nós somos culpados! Por nossa megalomania, pelo lucro dos outros, pelo progresso, eu não sei por quais coisas enormes matamos a humanidade! Então que se exploda a nossa grandeza!"
OS ROBÔS DA ALEPH
Série dos robôs
ISAAC ASIMOV
Conhecer a série
Androides sonham com ovelhas elétricas?
PHILIP K. DICK
Conhecer o livro
Metrópolis
THEA VON HARBOU
Conhecer o livro
Eu, robô
ISAAC ASIMOV
Conhecer o livro
Alerta vermelho
MARTHA WELLS
Conhecer o livro
MERGULHO
A evolução pela consciência: a ascensão do outro robótico em R.U.R., de Karel Čapek

Gregory M. Humphrey

Universidade Estadual de Cleveland

Traduzido por Renato Ritto

 

Em R.U.R. (os Robôs Universais de Rossum), de Karel Čapek, o autor apresenta um trabalho literário inédito para o seu tempo. Ele vislumbra toda uma nova classe de Outros, os robôs, a fim de reexaminar a dicotomia tradicional de mestre e escravizado e passar uma mensagem social, política e econômica que se mantém tão relevante na atualidade quanto era para seus contemporâneos. Toda a peça tem influência da filosofia marxista, especialmente do que Karl Marx chamava de o “grande problema de classes”. O princípio central da teoria literária marxista é que ela “considera a literatura e a cultura inseparáveis da política de classes” (Rivkin e Ryan, p. 231). R.U.R. é claramente influenciado por este conceito, considerando que o trabalho de Čapek com o Outro desafia sua audiência a confrontar os problemas da estrutura de classes e a examinar criticamente as difíceis questões inerentes a sociedades que escolhem desumanizar o Outro, quer essa desumanização aconteça na forma de segrega...

Ler texto completo
INSPIRAÇÃO
OUTROS TÍTULOS RELACIONADOS
Trilogia Império Radch
ANN LECKIE
Conhecer a série
Neuromancer
WILLIAM GIBSON
Conhecer o livro
Snowcrash
NEAL STEPHENSON
Conhecer o livro
Kallocaína
KARIN BOYE
Conhecer o livro
Paywall
Continue lendo esse conteúdo.
Fale um pouco sobre você para que a gente possa enviar novidades sobre nossos livros.
Entrar
PAYWALL